Turkish Family Names

Depois de 3 anos e 5 meses convivendo diariamente com a Chi, depois de 3 meses em Sydney morando com os sogros (estamos procurando lugar pra morar, calma), finalmente entendi completamente a nomenclatura dos familiares em turco. Enquanto brasileiros chamam todo mundo de TIO e TIA, nos países de língua turca eles usam nomes bem mais específicos.

Isso ajuda a saber, quando tu fala de alguém, se é da família do teu pai ou da tua mãe. Se eu disser “Minha HALA me deu um presente”, tu vai saber que estou falando de umas das irmãs do meu pai. Se eu disser “Meu AMDJA é um gênio”, tu vai saber que estou falando de um dos irmãos do meu pai. Se eu disser “Meu DAIÊ ganhou na loteria”, tu vai saber que estou falando de um dos irmãos da minha mãe. E, finalmente, se eu disser “Minha DEIZE está de férias em Cancún”, tu vai saber que estou falando de uma irmã da minha mãe.

AGORA, se estamos falando de AGREGADOS, ou seja, pessoas de outras famílias que entram na minha família por meio de casamento, chamamos de ENISHDÊs os homens e IENGUES as mulheres.

E assim vai.

A lista completa, com a grafia correta, não exclusivamente fonética, como eu fiz, está no fim dessa página.

-=-=-

Para ilustrar a ideia, um vídeo de 1981, 1982, uma joia de família, gravado com uma Super8 (acho). Cenas em Tramandaí, Porto Alegre e Canoas. E uma bela trilha sonora. Havia controvérsias sobre a posse dessa FITA, por isso, encomendei com meu irmão mais novo (cujo PARTO é a primeira do vídeo, que eu editei, claro) uma versão digital do vídeo, para que todos possam possuir e compartilhar. Eu não era nascido, o bebê que estrela a maior parte do vídeo é meu irmão mais velho, que completa 33 anos daqui um mês e dois dias. Também aparecem meu pai, minha mãe, meu vô Honorato, muitos tios e tias, primos, vários Passats e Fuscas, o Pôca-Banha, um vendedor de picolé, alguns mecânicos, um avião, caminhões, um cavalo e um D!*@$ #$%@*$.

A minha mãe é aquela BRINCANDO DE LUTINHA com meu primo mais velho, Rodrigo. A última seqüência mostra meu pai tentando vender um Fusca, na oficina da Transportadora Fanti, em Canoas. Domingos de um tempo em que o principal assunto do GreNal não era as brigas de torcida.

PS: Aproveito para testar um layout novo, já que FAZ TEMPO. Melhor? Pior?

Sup, nation?

Há algumas semanas tenho acompanhado um fenômeno de audiência na internet. Se trata de um americano de 26 anos chamado Phillip de Franco. Há tempos ele tem alguns canais no Youtube e hoje em dia o programa dele tem de 500 mil a 2 milhões de assistências por vídeo. Sendo um programa relativamente longo para Youtube (8 minutos, em média), que tem pelo menos 2 vídeos por semana e não tem caráter VIRAL e, sim, de notícias e assuntos do momento, é algo impressionante. Os vídeos dele somam quase 2 bilhões de visualições e ele tem 2 milhões de assinantes no seu canal principal.

A quantidade de gente (estatísticas dizem que em sua maioria são adolescentes americanas) que esse cara influencia quase que diariamente, não é de se subestimar. E logo vêm as eleições nos Estados Unidos e ele acaba de lançar um novo programa, esse aos domingos, falando apenas sobre política, resumindo os acontecimentos mais importantes da semana sobre os candidatos à presidência. Até aonde eu sei, o voto não é obrigatório nos U.S.A., então imagina se esse cara começa a influenciar essa gurizada para votar em seja lá quem for. 2 milhões de votos é apenas 1% do número de americanos com idade para votar, mas algumas eleições recentes foram decididas por menos votos.

Quem assiste pela primeira vez se assusta um pouco com o ritmo da edição, rapidíssimo e cheio de cortes e inserções. Tudo bem que ele é opinativo demais de vez em quando, que ele tem umas catchphrases um pouco bobas e fala um monte de bobagens. Às vezes ele se perde em assuntos que só interessam a ele mesmo, mas em geral é um programa bem interessante, eu recomendo. Ele é um cara legal e eu concordo com várias coisas que ele diz. Mesmo não sendo um jornalista formado, ele bota no chinelo muito programa de notícias de grandes redes de televisão. Esse cara vai longe.

Aqui um exemplo de um dos programas dele.

Apu, Conan e Cia.

Tá na roda o novo clipe da Fresno. Ficou bonito demais e a música também tá massa. Recomendo que seja visto em HD, para ter os detalhes da câmera lenta e das cores lindas. Parabéns, parceiros!

Me parece que é o primeiro clipe em que a Fresno é ela mesma, sem atuações, sem cara de mau, sem historinha emo, sem nada. Genuíno. É apenas eles sendo eles mesmos, num dia de piscina de galera, tendo idéias legais pra filmar. Acho digníssimo.

Finalmente fizeram um clipe melhor que o de “Stonehenge”.

A concept is formulating!

Mais seis tópicos altamente aleatórios, os dois primeiros ainda sobre o Bio Bio:

1.Também comprei um adaptadorzinho que me permite plugar o MacBook em tv’s de LCD. Testamos aqui e ficou lindão, uma mão na roda pra ver filmes e até legal pra navegar na internet (exatamente como faz o Nego nos seus aposentos de Sydney). Eu ainda não tenho uma tv de última geração à minha disposição, mas, quando possuir uma, já tenho o cabo pra conectar o computador.

2.Outra coisa que impressiona nesse tal de Bio Bio é a quantidade de bancas com brinquedos antigos. São verdadeiros museus de brinquedos, especialmente coleções completas de bonecos tanto antigos quanto recentes, todos de segunda mão. Há, por exemplo boneco gigante do GIZMO a 25 reais. Pena que o ambiente marginal não me permitia sacar fotos, mas teria rendido algumas boas imagens.

3.As fotos que eu posto aqui são de tamanho razoável (talvez até imprudentemente), por isso podem ser usadas, humildemente, de papel de parede. Aquela do flamingo, por exemplo, tá servindo de belíssimo fundo pra minha tela aqui:

wallpapero

Os amigos fiquem à vontade pra usar, se gostarem de alguma foto.

4.Não é estranho que, para usar uma estrada chamada FREEWAY, seja necessário pagar DOIS pedágios?

5.O gênio musical Tony Harrison aprovou, então fui lembrar qual a música, que virou a nova música da semana, não consigo parar de repetir, do tempo em que eu ainda era altamente exposto à Radio Sogipa:

Diretamente da trilha sonora internacional de Deus Nos Acuda. A/C Oscar Magrini

6.O chamado “Tema da Vitória” é algo foda. Não tem como ouvir e não ser transportado diretamente pras manhãs de domingo do fim dos anos 80. Aquela segunda parte, quando o sax dá uma VARIADA no tema, chego a VER o Senna já no meio da volta de comemoração. 🙂

MUITO BOM

Esse novo (pra mim) fenômeno começou a surgir hoje através do Facebook e já espalhou alegria de viver pelo mundo inteiro. Tive que compartilhar:

ESFREGA, ESGREGA E ARASTA ELA.

A/C EGS

LAMBISGADO DOIDO ECHEIRADO E CUSPIDO

Walking on a dream, talking to myself

Caminhar montanha acima em plena neve forte, olhando pra frente e não vendo absolutamente nada além do branco completo que cega. Ouvindo “Festival”, do Sigur Rós. Memorável.

No lado comédia da coisa, sempre que me pego nessa situação, lembro dessa passagem do Mighty Boosh:

Essa dancinha do Vince é demais. E amanhã é dia de flutuar na neve. Issa!