A home from a rented house

Pesquisinha rápida sobre uma indecisão fatal.

O que é melhor? Opções:

1.Ficar nesse ap aqui, pagando mais ou menos uns 500 euros divididos pelos dois, porém tendo que alugar um quarto para outra pessoa.

Prós:
-Não ter que se mudar
-Terraço genial
-Forno bombando

Contras:
-Dividir a casa com outra pessoa.
-O depósito de 3600 euros que tem que ficar parado ali.

2.Alugar esse ap aqui, que fica a duas quadras daqui, AINDA MAIS perto da beira da praia, por uns 750 no total, dividido por dois (eu e a Chi, claro).

Prós:
-Tem móveis bonitinhos
-Poderemos receber pessoas com mais comforto
-Moraremos sozinhos
-Tem vista pro mar até do chuveiro.

Contras:
-O segundo quarto não é um quarto, é um corredorzinho.
-Não tem forno
-A lavadora de roupa é meio estranha
-A porta do quarto principal é uma cortina que divide-o da sala
-Não tem terraço

Vote, por favor.

Anúncios

Skinny love

Primeiro, o que acontece quando se deixa uma massa de pizza fermentando por quase 4 horas. Na seqüência, janta de pizza e brownies no terraço com Chi, Francisco e Patrícia. 🙂

Ainda em clima de indecisão sobre a moradia. Hmmm.

For relaxing times

Sábado, num excelente dia em Sitges, day trip.

Curtisão

Vista do terraço na noite de San Juán e o dia seguinte, em Bogatell e Nova Icária.

Mulletwise

Olha, não dá pra dizer que não aproveitamos nossos dias de JOVENS. Aproveitamos pra caralho, mais intensamente entre 2001 e 2004. E está tudo altamente documentado em fotos e até vídeos (alguns infames). Mas que eu dava um MINDINHO pra juntar essa galera toda (e mais vários que não aparecem nessa montagem, especialmente Iuri e Cagado) em qualquer lugar, eu dava.

Valeu, amigos. Por alguns momentos, fomos geniais e, por que não, ETERNOS. Aqueles foram os dias.

Perdoem-me pelo momentos de nostalgia, mas se faz necessário de vez em quando. Tive um flashback de tudo isso há dois dias, ouvindo umas músicas boas, deitado no sol, na bela beira da praia de Bogatell. E pensei em todos vocês.

PS: Um abraço nas GURIAS, também, claro.

U.S.A.!

Os Estados Unidos finalmente descobriram a magia do futebol e eu quero tecer alguns comentários sobre isso.

Americanos sempre adoraram o basquete, onde ganha quem fizer mais pontos e são sempre às dezenas, por vezes centenas. Um ponto atrás do outro, empilhando, para ver, no finalzinho, quem acabou com mais. Eu já gostei bastante de basquete quando era piá, mas, ultimamente, quando estava acompanhando jogos das finais da NBA, pegava sempre o último quarto: se estivesse com distância grande de pontos, ok o jogo está definido. Se estivesse perto, sentava pra ver, por que aí viria emoção e cinco minutos podem durar meia hora.

É mais ou menos como um campeonato de pontos corridos: é difícil aceitar que os pontos do início valem tanto quanto os pontos do finalzinho. E também em outro ponto: o melhor geralmente ganha no basquete. Um time ruim pode converter 5, 10, 15 cestas. Ainda assim, o time bom sempre vai acabar com mais. Não há tanto espaço para a zebra.

E isso faz do futebol a paixão mundial que é: ele favorece a zebra. O cara pode passar o jogo inteiro se defendendo, amorcegando e acabar ganhando do Brasil, num contra-ataque fortuito e bem aproveitado. E o fato de a FIFA tentar manter o futebol igual no mundo inteiro, sem maiores tecnologias, o esquema de não poder conferir replays e videos na arbitragem, acho que é positivo. Realmente faz o jogo ter mais graça, drama e paixão: a injustiça, o erro, o fator humano imprevisível. Futebol fica muito longe da razão e da matemática.

Portanto, de um ponto de vista estranho, o basquetebol é como um campeonato de punhetas. Agora, o futebol, quando é emocionante, é como fazer gozar aquela mulher que tu ama, depois de muito se esforçar. Esse é o gol e pode ser a coisa mais emocionante do mundo, como o gol do Donovan no finalzinho, classificando os ianques para a próxima fase. É inconcebível que a maior potência do mundo fique de fora dessa festa.

O grande desafio para times sem tradição como Australia, Nova Zelândia, Japão, Coréia do Sul e Estados Unidos é deixar de parecer FUTEBOL FEMININO. Ou seja: goleiros confiáveis, melhorar a defesa, a bola alta, a bola parada e a finalização com força. Acho que todos mostraram que aprenderam bastante nos últimos anos. Nova Zelândia e Austrália não classificaram, mas tiveram participação muito digna.

Enfim, Estados Unidos da América, bem vindos à paixão do futebol. 😉

Ps: esse post é uma extensão dos comentários sobre os últimos jogos feitos no Carta e no Conan.

Fazi amor cu mi

Troquei uns mp3 com o Daniel, português que me recebeu em Lisboa, e ele me passou uma coletânea chamada Kizomba África Romântica, sem maiores detalhes. Ok. Agora, fui jogar meu Pac Man pré-sono e resolvi colocar como trilha esse disco por mim desconhecido. E foi a descoberta da noite. Na primeiro música que ouvi, já senti que seria uma boa trilha para esse verão.

Tenho estado obcecado por Madredeus (te amo, Teresa Salgueiro), principalmente pelas músicas “Haja o que houver”, “Guitarra” e “Oxalá” e, depois de ter ouvido isso caminhando pelas ruas da Alfama, penso que nunca uma trilha sonora fez tanto sentido. Recomendo DEMAIS.

Agora, para um som mais animado, estarei ouvindo esse sonzinho africano. Tem música em francês, inglês e, claro, um português com um sotaque muito gostoso e cheio de melodia, apesar de muitas vezes ininteligível. Sei que tenho gosto pelo exótico e às vezes sofro de um racismo ao contrário, de achar que só por que são africanos a música é mais legal e talvez a mesma música feita por brasileiros não seria tão apreciada por mim. Mas acho que não é o caso. Esse som é uma delícia. Se eu fosse DJ, certamente estaria introduzindo um pouquinho de KIZOMBA nos meus sets.

Subi o disco inteiro no 4shared, especialmente pro Gui (fã número 1 de Pepê e Neném), que eu tenho certeza que vai curtir demais esse som. Agora, quem tiver coragem, aperta aqui e baixa essa belezinha. É, no mínimo, curioso. E no clima Copa do Mundo 2010. 😉

PS: Claro que, sendo uma coletânea, tem algumas bombas no meio.

Dica: melhores músicas são as últimas. Recomendo fortemente “Fazi amor cu mi”, “Bo é kel amjer”, “Curtisão”, “Tentação” e “De Volta”.

PS2: E chegou o dia que eu achava que não chegaria, enchi os 120 Gigas do meu iPod