Lights and music on my mind

E no domingo, depois de uma volta pela cidade e uma parada no pub mais antigo de Sydney (onde estava tocando uma banda sensacional, com uma velhinha cantando), nos divertimos um pouco com uma sessão de “lightpainting”, algo que fazia horas que eu não tentava. Saíram umas boas, até.

Maybe, maybe it was just the morning dew

Sábado fomos fazer um picnic no Garigal Park, perto de Dee-Why. Bom lugar. Pena que tinha bastante gente pescando e algumas ostras afiadíssimas nas pedras da beira do rio. O acesso à água era difícil. Fui tentar entrar e escorreguei, acabei cortando meus dedos do pé esquerdo em três lugares, além de ganhar uma quebrada. Mas foi um bom dia.

Grab your walkie, I’ll call you when I’m up there

___Hmmm, depois de alguns breves momentos entediantes, começaram a me dar trabalho de verdade no escritório. Um trabalhinho pro canal de tv a cabo Fox Sports, tá sendo bem divertido de fazer, um bom exercício. É sobre AFL e Rugby League.

___Daqui exatamente 2 meses, estarei indo embora, o calendário está começando a apertar e tenho muitas coisas pra fazer nesses 60 dias. Antes de planejar qualquer outra coisa, preciso descobrir o quanto vou morrer de grana por causa dos impostos. Tou considerando uma viagem pra Nova Zelândia antes de voltar. Ainda preciso pesquisar mais sobre isso.

Le premier bonheur du jour

Algumas chapas de um agradável domingo qualquer num dos lugares mais turísticos de Sydney com o Nego e a Chi.

All things go, all things go

Fomos à praia de Bronte, tinha churrasco da European Society – CULTO bizarro do pessoal da UTS e do qual faço parte como CIDADÃO ITALIANO – e também estavam lá a Simone e seu namorado, que chegaram há pouquinho na cidade. O tempo ainda tá bom pra nadar, mas a praia tava tomada de algas, dificultando bastante a entrada na beira. Acabamos tomando um banho direitinho só na piscina, que tava muito agradável, boa temperatura de água.

Wayward

moicapraia-015

Nesse dia, eu tava na casa da praia, em Imbé, e minha vó Mina descansava na rede. Eu perguntei se ela queria ouvir alguma música e ela respondeu que sim, com uma certa indiferença. Busquei algum CD apropriado e coloquei o Lookaftering, da Vashti Bunyan.

Para minha surpresa, ela ficou ali ouvindo o tempo inteiro, de olhos fechados, se balançando levemente na rede. Ao fim do disco, ela disse que achou maravilhoso (ela sempre, sempre reclamou de qualquer música que eu colocava, fosse muito agitada ou muito calma) e que ficou ali lembrando de muitas coisas, entre elas o falecido marido dela, meu vô Érico. E foi enquanto ela viajava ali que tirei essa, entre outras fotos.

Há muitos anos, a vó Mina era relativamente bem ativa, na praia sempre estava ou rezando um terço, jogando cartas, assistindo novelas, fazendo comida ou palavras cruzadas. Invariavelmente, eu participava de alguma dessas atividades (ok, talvez não cozinhasse junto, mas eu comia). Com o tempo, tudo isso foi ficando pra trás e a única coisa que sobrou foi a devoção pela igreja (que eu julgaria como a menos benéfica dessas atividades). Hoje, mesmo eu, que sou totalmente contra a igreja católica, gostaria de acreditar que existe um céu particular pra ela, onde ela vai encontrar o meu vô e descansar pra sempre.

Deus te abençoe, vó.